getúlio vargas

História do Brasil Para o Enem – A Era Vargas

Nas eleições de 50 a UND lançou como candidato o Brigadeiro Eduardo Gomes. O PTB por sua vez fez uma aliança com o PSP, partido de Ademar de Barros, Lançando a chapa Getúlio Vargas / Café Filho. Vargas foi eleito com uma grande vantagem sob seus concorrentes, recebendo 47% dos votos. Em seu segundo governo, ele manteve-se leal a sua promessa eleitoral, apoiando a intervenção do Estado na economia do país. Getúlio investiu pesadamente no sistema de energia, de transporte e na criação do BNDE ou Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico, cuja principal função era conceder crédito à indústria brasileira. Getúlio Vargas também apoiou o monopólio estatal do petróleo, sendo líder de uma campanha nacional cujo slogan era: “O Petróleo é Nosso” No ano de 1953, o governo sancionou a lei que originária a Petrobrás, empresa criada pelo Estado que possuía a função de monopolizar a extração, o refino e também o transporte marítimo do petróleo do Brasil.

Políticas de Massa

Enem Durante o segundo mandato de Vargas, sua popularidade se propagou ainda mais pelo país. Pois Getúlio promovia “encontros pessoais” com os trabalhadores através de comícios. Além de usar o rádio para estreitar seus laços com os trabalhadores. Porém, Vargas enfrentava um grande problema econômico. Os preços dos alimentos e também os custos de aluguéis cresciam mais que os salários da época. Devido ao problema econômico citado anteriormente, diversos trabalhadores da época fizeram manifestações, saques e greves contra a alta no custo de vida.

Atentado da Rua Toneleros

No dia 05 de agosto de 1954, Carlos Lacerda representante da UDN, sofreu um atentado, porém o plano não foi bem sucedidos, e Carlos teve apenas ferimentos leves. O segurança de Carlos Lacerda, o Major Rubens Vaz faleceu durante o atentado, que ficou nacionalmente conhecido como Atentado da Rua Toneleros. Após uma investigação criteriosa das Forças Armadas, o IPM chegou a conclusão de que Gregório Fortunato era o responsável pelo crime. Gregório era chefe de segurança e era bem íntimo de Getúlio Vargas. Depois do ocorrido, Carlos Lacerda se posicionou a favor do Golpe Militar. Em 22 de agosto de 1954 alguns representantes da aeronáutica exigiram a renúncia de Getúlio Vargas. No dia 23 de agosto, os mesmos representantes da aeronáutica se aliaram a mais 27 generais do Exército na manifestação contra Vargas. Em meio a toda essa confusão, na madrugada do dia 24 de agosto de 1954, Getúlio Vargas disparou um tiro em seu próprio coração.    

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

loading...